https://www.cnttubarao.com.br/wp-content/uploads/2021/01/web-banner-IPTU-2021_CNT.jpg
Anunciante do CNT

A vice-governadora Daniela Reinehr enviou uma carta ao governador Carlos Moisés da Silva, contendo fortes críticas sobre sua atuação no comando de Santa Catarina. Ela inicia destacando a decepção e perplexidade da população catarinense com os fatos investigados pela CPI da Assembleia e pelo Gaeco sobre a fraude dos respiradores, dizendo que seu desabafo era feito em respeito à população estadual e aos compromissos assumidos durante a campanha de 2018. Recorda ainda as promessas de mudanças, a identificação com os princípios e propósitos do presidente Bolsonaro e destaca os 75,92% dos votos conquistados nas eleições presidenciais.

Anunciante do CNT
  • Durante este curto espaço de tempo, inúmeras situações causaram-me perplexidade – continua a vice-governadora. A sua incapacidade de sentir gratidão e de gerar empatia, atribuídos fundamentais a quem possui nobreza de espírito, é apenas uma delas. Encetado o nosso mandato, presenciei pessoas serem literalmente descartadas por Vossa Excelência.
    Prossegue dizendo que sentiu na pele “tamanha desconsideração”, e cita fatos envolvendo o governador catarinense. E diz não conseguir identificar os motivos de sua exclusão das discussões sobre temas de interesse público estadual.
    Um dos atos solenes, a vice foi descartada de uma importante reunião por Moisés da Silva por suposta “insuficiência de cadeiras”.
  • Lamento que vossa gestão tenha chegado a este ponto e que Santa Catarina esteja sofrendo tanto pelas noticias de falta de ética e de moral! – enfatiza mais adiante Daniela Reihner. Não há mais confiança, não somos mais a dupla! Pelo contrário, Vossa Excelência desfez a chapa tão logo sentiu-se eleito, colocando-se como único representante à frente do governo estadual e trazendo para vosso entorno, o malfadado destino a que chegamos.
    Para completar, acusa o governador de estar desconectado do Estado e de seu povo e de se posicionar contra os que produzem, em especial no oeste catarinense.
    Conclui: “Cada respirador feito por catarinense me emociona, mas choro mesmo ao pensar que 33 milhões de reais poderiam salvar tantas vidas”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui