https://www.cnttubarao.com.br/wp-content/uploads/2021/01/web-banner-IPTU-2021_CNT.jpg
Anunciante do CNT

Após denúncia de possível combustível adulterado, o Procon de Tubarão, em conjunto com o Inmetro e a ANP – Agência Nacional do Petróleo, realizaram, na manhã desta quinta-feira (8), uma fiscalização para averiguar os lacres, aferição e a análise do conteúdo em dois estabelecimentos do município. Nada de irregular se constatou.

Anunciante do CNT

A recomendação da coordenadora do Procon, Andresa Fontanela, é de que se houver indícios de que o veículo está com problemas em função de combustível adulterado, procure um mecânico imediatamente. Se for constatado que o problema é decorrente de combustível adulterado, deve ser solicitado ao mecânico um laudo atestando o fato e um orçamento. Após isso, a pessoa deve procurar o Procon a fim de buscar uma solução para o caso e denunciar o posto, para que outros consumidores não sejam lesados.

Anunciante do CNT

Ainda, segue pesquisa de preços do combustível, realizada entre segunda (5) e quarta-feira (7), em 29 estabelecimentos do município. Foram consultados os valores do etanol, diesel comum e S10, gasolina comum e aditivada e do GNV.

Anunciante do CNT

O menor preço encontrado na gasolina comum foi de R$ 4,089 (modalidade de pagamento à vista); no diesel comum foi de R$ 3,059 (modalidade de pagamento à vista); diesel S10 R$ 3,099 (modalidade de pagamento à vista e crédito); no etanol o menor preço praticado é de R$ 3,388; no GNV o menor preço foi de R$ 2,899.

O Procon de Tubarão orienta os consumidores a tomarem alguns cuidados na hora de abastecer o seu veículo. A primeira observação é desconfiar de postos que ofereçam combustível a preços muito abaixo da média da região. Deve-se exigir sempre o comprovante de pagamento (nota fiscal), pois este documento é importante caso tenha algum problema e necessite reclamar. Postos de marca só podem vender combustíveis fornecidos pelo distribuidor detentor da marca comercial exibida. Se não houver marca comercial (bandeira branca), cada bomba abastecedora deverá identificar o fornecedor do respectivo combustível. Ao abastecer em postos sem bandeira (bandeira branca), verifique qual a distribuidora do combustível – esta informação deve estar disposta na bomba, conforme determinam o artigo 31 do Código de Defesa do Consumidor e a Portaria nº 116, de 05/07/2000 da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Em casos de dúvidas ou reclamações, os consumidores podem entrar em contato com o Procon pelo telefone (48) 3621-9818 ou pelo e-mail procon@tubarao.sc.gov.br.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui