https://www.cnttubarao.com.br/wp-content/uploads/2021/01/web-banner-IPTU-2021_CNT.jpg
Anunciante do CNT

Dados preliminares sobre a nova variante do coronavírus, a B117 apontam que, conforme análise inicial, feita pelo Grupo de Aconselhamento sobre Novas Ameaças de Vírus Respiratórios (Nervtag, na sigla em inglês), indicou que a cepa pode ser responsável pelo aumento de até 40% na taxa de mortalidade do Reino Unido. Pesquisadores pediram mais medidas preventivas e afirmaram que a descoberta pode significar “voltar à estaca zero”.

Anunciante do CNT

A Nervtag, contudo, afirma que a análise é preliminar e carece de mais dados para uma conclusão precisa. A entidade explica que poucas pessoas participaram do limitado estudo e, portanto, deve efetuar mais testes nos próximos meses para “esclarecer seu posicionamento”.

Anunciante do CNT

Patrick Vallance, conselheiro científico chefe, detalha em números o estudo inicial. Segundo ele, o aumento na taxa de mortalidade significa cerca de 3 a 4 mortes a cada 1000 pessoas com 60 anos ou mais. Nesse sentido, a taxa de mortalidade da nova cepa soma entre 13 e 14 mortes, um aumento considerável em relação ao número da variante original, com média de 10 mortes. Além disso, outro estudo aponta que a variante pode ser até 70% mais transmissível.

Anunciante do CNT

No momento, a prioridade dos cientistas é descobrir se variante B117, assim como as variantes encontradas no Brasil e na África do Sul, pode afetar o desempenho dos diversos tipos de vacinas oferecidas pelo mercado. A norte-americana Pfizer já se pronunciou no início do mês, afirmando que sua solução é resistente e imuniza até mesmo as novas cepas com maior taxa de transmissão. Contudo, as análises ainda precisam de mais dados para uma conclusão definitiva.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui