https://www.cnttubarao.com.br/wp-content/uploads/2021/01/web-banner-IPTU-2021_CNT.jpg
Anunciante do CNT

Santa Catarina fechou 2020 com 6.300 novas usinas fotovoltaicas (UFV), somando no acumulado 17.797, o que representa 214.889,49 kW (214.89 MW) de potência instalada. Os dados são do painel da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O resultado garante o sétimo lugar no ranking estadual dos maiores produtores de energia por radiação solar. Entre os municípios catarinenses, os três com maior capacidade instalada são Blumenau, Joinville e Florianópolis. Tubarão já surge em oitavo lugar nesta lista, principalmente com a Usina Cidade Azul, gerida pela Engie Brasil, e os industriários devem apostar, a cada ano, ainda mais neste nicho.

Anunciante do CNT

A Usina Solar Cidade Azul possui uma capacidade instalada de quatro megawatts, por meio de 19.424 painéis fotovoltaicos distribuídos em uma área de dez hectares (10 campos de futebol).

Anunciante do CNT

Conforme o engenheiro Julio Cesar Ferreira da Silva, gerente da Quantum Solar, desde 2012 os investimentos no setor no Brasil já somam mais de R$ 36,5 bilhões, superando a marca de 219 mil empregos criados, segundo dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar). “Isso significa mais de R$ 10,8 bilhões em arrecadação de tributos e mais de 1,1 milhão de toneladas de CO2 que deixaram de ser lançadas no meio ambiente”, salienta Julio Cesar.

Anunciante do CNT

Conforme levantamento da Absolar, a energia solar fotovoltaica centralizada representa 1,6% da matriz energética brasileira, somando 2.989 MW de potência instalada. A busca crescente pela energia solar baseia-se, principalmente, em dois pilares: econômico e ambiental. “O tempo que o valor do investimento leva para retornar na forma de economia na conta de luz, o chamado payback, é de cerca de cinco anos”, explica Julio Cesar. “Ainda, esses sistemas não agridem o meio ambiente e reduzem a conta de energia elétrica em cerca de 95%”, completa.

Outro bom argumento é que esses projetos podem ser adotados por pequenos, médios ou grandes negócios, com instalação podendo ser feita em telhado, solo ou, até mesmo, sobre a água. A demanda de manutenção é baixa, sendo que as placas fotovoltaicas duram até 25 anos, não fazem barulho nem geram poluição.

Inclusive a tendência apontada pelo Plano Decenal de Expansão de Energia 2030 (PDE 2030), realizado pelo Ministério de Minas e Energia (MME) e a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), é de crescimento de investimentos em capacidade instalada na ordem de R$ 70 bilhões nos próximos 10 anos no Brasil. E a previsão é que, desse montante, 93% sejam de fonte fotovoltaica segundo o relatório.

Top 15 dos municípios catarinenses em potência instalada até 31/12/2020:

1) Blumenau – 10.163,70 kW

2) Joinville – 8.594,42 kW

3) Florianópolis – 8.433,95 kW

4) Jaraguá do Sul – 8.113,72 kW

5) Concórdia – 6.598,82 kW

6) Itajaí – 5.022,29 kW

7) Chapecó – 4.700,27 kW

8) Tubarão – 4.406,18 kW

9) Gaspar – 4.137,56 kW

10) Brusque – 3.689,59 kW

11) Xaxim – 3.306,21 kW

12) Xanxerê – 3.306,21 kW

13) Rio do Sul – 2.889,07 kW

14) Braço do Norte – 2.850,16 kW

15) Mafra – 2.809,55 kW

Aluguel de usinas é a tendência

Conforme Gilberto Vieira Filho, presidente do grupo Quantum Engenharia, a tendência para os próximos anos é a modalidade de locação, que pode ser adotada tanto em projetos do setor público, quanto privado. “A principal vantagem da locação de uma usina solar é o fato de o cliente não necessitar fazer um alto investimento na construção e na manutenção do projeto, pagando apenas um valor mensal para receber a energia limpa em seu empreendimento”, destaca.

Um exemplo desse sistema está sendo implantado no Distrito Federal. Em dezembro, o consórcio Sol da Justiça, do qual a Quantum Engenharia faz parte, iniciou a construção da usina solar fotovoltaica que atenderá o Superior Tribunal de Justiça (STJ). O fornecimento de energia se dará na forma de Locação de Sistema de Geração Distribuída (SGD), sendo que a usina ficará no Núcleo Rural Alexandre Gusmão, em Brazlândia (DF). A entrega da obra está prevista para setembro de 2021.

O projeto prevê geração de energia elétrica de fonte fotovoltaica, dimensionada para ser capaz de produzir e injetar no sistema de compensação, na categoria minigeração, a quantidade de 7.000 MWh por ano. Será instalada uma Central Geradora Fotovoltaica (CGF) de 3,70 Mwp com mais de 8.000 módulos, infraestrutura, equipamentos, periféricos e acessórios. Isso inclui estruturas para cercamento, sistemas de segurança infraestrutura civil e melhorias requeridas pelos diversos órgãos reguladores e ambientais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui