https://www.cnttubarao.com.br/wp-content/uploads/2021/01/web-banner-IPTU-2021_CNT.jpg
Anunciante do CNT

Pacientes com Covid-19 internados em leitos clínicos em Manaus começaram a ser transferidos nesta sexta-feira (15) para oito capitais brasileiras numa ação coordenada pelo Ministério da Saúde, que visa desafogar a rede assistencial pública e privada do Amazonas. A articulação envolve os governos estaduais e também o Distrito Federal.

Anunciante do CNT

“Vários governadores já se colocaram à disposição para recepcionar pacientes com Covid-19 em seus estados e prontamente reservaram suas estruturas hospitalares para dar o apoio necessário para atender aos pacientes do Amazonas”, disse o Secretário Executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco.

Anunciante do CNT

As transferências ocorrerão por via aérea e já estão garantidos – de imediato – 149 leitos: 40 em São Luís (MA); 30 em Teresina (PI); 15 em João Pessoa (PB); 10 em Natal (RN); 20 em Goiânia (GO); 04 em Fortaleza (CE); 10 em Recife (PE) e 20 no Distrito Federal.

Anunciante do CNT

Além dos suportes estaduais na disponibilidade de leitos para auxiliar o Amazonas nos próximos dias, a pasta também está recebendo ajuda em nível federal da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) – responsável pela gestão de hospitais universitários federais espalhados pelo país. A instituição também disponibilizou vagas em suas unidades para receber os pacientes vindos do Amazonas.

O secretário de Atenção Especializada à Saúde do Ministério da Saúde, Luiz Otávio Franco Duarte, informou que, mesmo com a imediata disponibilidade de vários governadores em apoiar os amazonenses, “foi realizado um estudo pelo Ministério da Saúde para saber quais estados poderiam receber pacientes sem sobrecarregar a assistência local”.

Transporte

Os pacientes que serão trasladados atendem a critérios clínicos definidos pela equipe médica. O transporte será feito em parceria com o Ministério da Defesa por duas aeronaves da Força Aérea Brasileira com capacidade de 25 pacientes deitados em macas dentro de voos.

A ação também poderá dispor da aviação civil. O deslocamento será realizado com a presença de profissionais médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem para prestar atendimento aos pacientes.

Em terra, cada destino ainda terá à sua disposição uma frota de ambulâncias exclusivas para levar os pacientes dos aeroportos aos hospitais. Para mitigar os impactos da falta de oxigênio hospitalar no Amazonas, um dos motivos que levou à transferência dos pacientes, aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) e de companhias aéreas estão sendo mobilizados para levar cilindros de oxigênio líquido e gasoso de diversas partes do país ao estado.

Tanto pequenas quanto médias empresas que envasam o gás pelo país informaram que incrementarão suas produções para suprir a demanda. Os Ministérios da Saúde e da Defesa enviaram ao estado do Amazonas esta semana 5 mil metros cúbicos de oxigênio líquido para auxiliar no combate à Covid-19 na região. A medida faz parte das ações de apoio ao Plano de Contingência do Estado.

“Estamos trabalhando intensivamente na logística e parcerias para, em menor tempo possível, e com mais efetividade, sanar a crise sanitária pela qual passa o estado do Amazonas. Não estamos medindo esforços”, afirmou o ministro Eduardo Pazuello.

Além disso, foram entregues equipamentos de proteção individual, entre eles 125 mil máscaras N95, 247,8 mil máscaras cirúrgicas e 200 mil luvas.

Conforme demanda, a pasta enviou ao estado de 180 monitores, 373 bombas de infusão, 6.900 equipos e 78 ventiladores pulmonares (40 exclusivos para o interior do estado). Ainda para o estado, foram destinadas 250 mil cápsulas de oseltamivir, 700 cilindros de oxigênio, além de 40,5 mil unidades de medicamentos para intubação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui