https://www.cnttubarao.com.br/wp-content/uploads/2021/01/web-banner-IPTU-2021_CNT.jpg
Anunciante do CNT

Era tarde da noite. Vinha embora pensando nos meus pecados, imaginando outros melhores para cometer. Faz alguns anos. No caminho da praia onde morava, passa-se por uma cidadezinha, sempre deserta nas melhores horas para se viver. Deparo com um veículo mal estacionado, capô aberto. Ao lado, uma moça. O automóvel estava na minha mão de ida, mas, por precaução, encosto no lado oposto da rua.

Anunciante do CNT

Olho, mas não falo nada por uns instantes. Por fim, abaixo o vidro e pergunto se há necessidade de ajuda. Ouço que não, que está tudo bem. Respondo com tranquila firmeza: “Olhe, eu não vou sair do carro sem a sua permissão; se a senhora necessita de auxílio, diga, então eu fico… Se disser para eu ir embora, eu vou. E pense bem antes de responder”. Logo veio: “Em nome de ‘deus’, me ajude”.

Anunciante do CNT

Desembarquei, permaneci quieto por um instante, olhei para a mulher, sorri e falei: “Desculpe, mas nós estamos em um impasse: a senhora quer que eu a ajude em nome de deus; eu me disponho a ajudá-la, mas por modesta solidariedade humana. Não quero intermediar interesses divinos, isso sempre acaba em briga… Até em guerra”. Com olhos arregalados, questionou com censura: “O senhor não tem religião?”

Anunciante do CNT

Dei de ombros e disse: “Olhe, a senhora acha mesmo importante ter uma?” Aí, confesso, a resposta me surpreendeu: “Ai!, o ‘senhor’ escreve mesmo por linhas tortas: mandou-me um pecador”. Mas me refiz: “Bem, uma pessoa que crê tem sempre uma primeira tarefa: levar a ‘palavra’; converter o incréu. Então, vamos deixar esse carro como está porque, parece, a obra é sua, a senhora é que tem que me socorrer”.

O susto agora foi dela: “Será?!” Mas nisso percebo que no banco de trás do automóvel dormia uma criança. Fui olhar a placa do carro. Estávamos nas praias de Santa Catarina, ela vinha do interior do Rio Grande do Sul. Manifesto minha repreensão: “Mas a senhora está vindo de muito longe, sozinha com uma criança, e a estas horas da noite?!” A mulher não titubeou: “Quem confia no ‘senhor’ não tem o que temer”.

Meio irritado, meio divertido, forcei uma cara séria e intimei-a: “A senhora pecou de modo feio há pouco tempo, não foi?” A mulher me devolveu outra interrogação: “Por quê?” Falei com severidade: “Oras, por quê?! Porque o seu deus acaba de quebrar o seu carro e mandou um sujeito que não entende nada de mecânica para ajudar. Quem sabe a senhora faz umas orações e ele mesmo conserta? Sou inútil aqui. Vou indo”.

As coisas vieram aos termos terrenos. A mulher implorou: “Por favor, não me deixe aqui”. Vingado, suavizei, mas continuei na terra: “Olha, um humano decente jamais a abandonaria nesta situação; como posso ajudá-la?” Esclareceu, agora sem apelos ao divino: “Meus familiares me procuram… Eu não conheço aqui, e antes que pudesse explicar onde me encontro, fiquei sem bateria”. Liguei, expliquei, prometi não me ir.

Esperamos um bocado. Detalhei ainda duas vezes o caminho para nos localizar. Já estava irritado, mas cumpri o dever de ficar. Finalmente chegaram os parentes. Saltou o tio. Agradeceu-me muito em nome do “senhor”. Cansado, não contrapus um único som. Aí, saltou a prima. Era um encanto. Com graça e sabedoria elucidou as razões celestiais de eu estar ali. Então, por todo aquele verão, eu me converti.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui