https://www.cnttubarao.com.br/wp-content/uploads/2021/01/web-banner-IPTU-2021_CNT.jpg
Anunciante do CNT

Elisabeth Hostert, de 86 anos, e as filhas Margarete Lana, de 53, e Maria Hostert, de 49, foram diagnosticadas com Covid-19 e internadas com poucos dias de diferença em Gaspar, no Vale do Itajaí. As três ficaram juntas e entubadas na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Na quarta-feira (3), a matriarca não resistiu e morreu. As filhas permanecem internadas, segundo os familiares, e ainda não sabem da morte da mãe.

Anunciante do CNT

“Não pensem que não pode acontecer na sua casa, porque pode sim. Tenham cuidado, porque o vírus mata”, alerta Bernardo Hostert, filho de Elisabeth e irmão de Margarete e Maria.

Além de Bernardo, as duas têm mais três irmãos. Maria tem dois filhos e Margarete, uma filha. Os primos estão desanimados com a morte da avó, mas permanecem esperançosos com a recuperação das mães, segundo Luis Guilherme Lana, neto de Elisabeth e um dos filho de Maria.

“Estamos com muito fé e rezando bastante para que ocorra tudo certo com elas. O que nos resta é rezar e ter muita fé nesta hora”, afirma Luis Guilherme sobre a recuperação da mãe e da tia.

Anunciante do CNT

A vacinação contra a Covid-19 da idosa estava agendada para sábado (27). Mas com a internação um dia antes, não houve tempo para a imunização.

Anunciante do CNT

Mãe e filhas eram muito próximas. Margarete morava com a idosa e Maria vivia com a família na casa ao lado. De acordo com a prefeitura de Gaspar, o intervalo de internação das três pacientes foi de poucos dias.

A irmãs Maria e Margarete Hostert permanecem entubadas em Gaspar (SC), segundo familiares — Foto: Bernardo Hostert/Arquivo Pessoal

A irmãs Maria e Margarete Hostert permanecem entubadas em Gaspar (SC), segundo familiares — Foto: Bernardo Hostert/Arquivo Pessoal

Margarete deu entrada no hospital no dia 22 de fevereiro. Dois dias depois, em 24 de fevereiro, Maria foi internada e no dia 26, foi a idosa.

“Minha mãe e minha tia fizeram o teste juntas e deu positivo. A mãe, no sétimo dia após o teste, começou a ficar sem ar. Levei ao hospital e no dia seguinte já foi entubada e está assim até hoje. Minha tia foi a mesma coisa, mas só foi entubada no sábado. Minha avó fez o teste, deu positivo. Estava tranquila, não sentia nada. Mas, de repente, foi para o hospital na sexta e no sábado foi entubada também”, conta Luis Guilherme.

O filho da idosa, Bernardo Hostert, disse que os dias desde a internação da mãe e das irmãs foram de aflição. Nas redes sociais, ele atualiza aos familiares e amigos sobre a situação clínica das três e também pede por oração.

“Segundo o próprio médico, a mãe foi muito forte. Mas infelizmente o vírus conseguiu vencê-la. E não deu certo”, lamentou.

Elisabeth Hostert e Maria, uma das filhas que segue internada — Foto: Bernardo Hostert/Arquivo Pessoal

Elisabeth Hostert e Maria, uma das filhas que segue internada — Foto: Bernardo Hostert/Arquivo Pessoal

Após a morte da mãe, Bernardo e a família ainda têm que lidar com delicada situação médica de Margarete e Maria. Segundo eles, o quadro de saúde delas é instável. As duas, por ainda estarem entubadas, não sabem da morte da mãe.

“Estamos muito tristes e aflitos. Torcendo para que a Maria e Margareth consigam vencer esse vírus”, desabafa o irmão delas.

‘Saiu do hospital direto para o túmulo’

Mãe de seis filhos, Elisabeth Hostert deixa 13 netos e 12 bisnetos. De acordo com Bernardo, a mãe gostava de estar com “a grande família” reunida. “Ela era uma pessoa guerreira, era muito parceira dos filhos. Uma pessoa sensacional. Era mãe, né”, afirma Bernardo.

“Mas o mais triste de tudo isso foi não ter acontecido o velório da minha mãe. Ela saiu do hospital e foi direto para o túmulo. Isso mexeu muito conosco”, diz o filho de Elisabeth.

Elisabeth e os seis filhos  — Foto: Bernardo Hostert/Arquivo Pessoal

Elisabeth e os seis filhos — Foto: Bernardo Hostert/Arquivo Pessoal

Bernardo afirma que a vacinação da mãe estava programada para acontecer no sábado (27). Mesmo com a perda da mãe, ele torce para que a vacina chegue para todos o mais rápido possível.

“Estamos torcendo para que essa vacina chegue o quanto antes para nos aliviar. As pessoas ainda estão pensando no lado do dinheiro e não estão entendendo que esta pandemia está nos matando”.

De acordo com o boletim do governo de Santa Catarina divulgado na quinta-feira (4), Gaspar tem 5.834 casos de Covid-19 desde o início da pandemia, com 89 mortes.

Fonte: G1 SC

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui