https://www.cnttubarao.com.br/wp-content/uploads/2021/01/web-banner-IPTU-2021_CNT.jpg
Anunciante do CNT

Uma escola não ensina somente o alfabeto, a interpretação textual ou a resolução da matemática básica… Ela cria cidadãos conscientes, empreendedores, prestadores de serviços qualificados e moradores preocupados com sua comunidade, seu bairro, sua cidade. Assim, com muita tradição e histórias que ajudaram a desenvolver Capivari de Baixo, a Escola Municipal Santo André, que fica no bairro homônimo, completa, nesta quarta-feira (7), 35 anos de fundação.

Anunciante do CNT

A unidade de ensino começou a operar antes mesmo do município, que tem 29 anos e era um distrito de Tubarão. Hoje, 41 funcionários, sendo 29 professores, atendem, com, segundo a diretora Cláudia da Rosa Nascimento Lopes, ampla dedicação, 232 alunos, oferecendo o ensino fundamental completo (até o nono ano).

Anunciante do CNT

Naquela década de 1980, observando um ritmo de crescimento acelerado da localidade de Santo André, então pertencente à Cidade Azul, algumas famílias, juntamente com o vereador à época Manoel Saturnino Rebelo, encaminharam solicitação ao então prefeito de Tubarão, Miguel Ximenes de Mello Filho, para que fosse implantada uma escola, visando atender as necessidades do contingente estudantil da comunidade. Este empreendimento solucionaria, dentre outros, o problema do deslocamento dos alunos para as escolas de Tubarão e do Distrito Industrial de Capivari, mais o ônus que o transporte acarretaria. Foi acatada a solicitação de imediato, e, a partir do dia 7 de abril de 1986, foi fundada a Escola Municipal Santo André, sendo implantadas a 1ª e 2ª séries (conjugadas) em um espaço alugado, onde hoje funciona o Mercado Santo André.

Anunciante do CNT

“Fui diretora desta escola por oito anos. Aqui construí boa parte da minha carreira profissional. Foi onde minhas filhas estudaram e é onde hoje meus netos estudam. A ‘Escolinha do Santo André’, como é carinhosamente chamada, significa, para mim, muito mais que meu local de trabalho atual (estou novamente como diretora), mas o lugar para onde sempre sonhei voltar e dar continuidade ao trabalho que um dia comecei. Estamos inseridos numa comunidade que sempre me acolheu com muito carinho, de pais muito presentes e atuantes. Hoje, contamos com um bom número de ex-alunos que se tornaram pais de estudantes e que, assim, dão continuidade à história da nossa instituição querida por todos”, relata Cláudia.  

Amor pela profissão, amor pela escola

“Ser orientadora educacional é trabalhar e orientar vidas. Faço isso com muito amor e dedicação. Tenho intenso carinho e fé no meu trabalho, fruto desta comunidade maravilhosa que me aceitou como família”, destaca a orientadora educacional Carmen Brito.

“É uma enorme satisfação fazer parte da história de uma escola como a do Santo André. É um orgulho e tenho muita gratidão a toda e qualquer experiência mais de 18 anos nesta comunidade”, enaltece a professora Kátia Eugênio.

Carmen e Kátia estão entre as colaboradoras mais antigas da unidade de ensino. Elas representam o sentimento de todo corpo funcional, que atua com amor pela educação, amor às crianças e adolescentes e, acima de tudo, amor em acreditar que estão ajudando a criar uma Capivari melhor, ainda mais desenvolvida, mais cultural, mais politizada e de grandes formadores de opiniões, exímios empreendedores e participativos representantes comunitários. Tudo isso é possível sim, e o melhor caminho são os livros, o professor e a escola.

Histórico do bairro e da unidade de ensino

Antigamente, as terras da Vila Passagem pertenciam a alguns moradores, os senhores Irineu da Silva, Ludjero Mello e Pedro Fagundes, que há 60 anos moravam no bairro. Essas terras foram vendidas a Haroldo Fernandes que, por sua vez, transformou-as em um sítio, denominado Santo André.

Como o povoado foi crescendo, sentiu-se a necessidade de criar uma vila residencial. Haroldo Fernandes loteou seu sítio e criou um Parque Residencial com o nome anterior, em homenagem a seu pai, o senhor André.

Sua fundação deu-se em 4 de dezembro de 1980, e teve como um dos primeiros moradores o senhor Érico Godoy. A escola funcionava somente no período matutino, e contava em seu quadro de colaboradores uma merendeira e dois professores, os quais, além do trabalho em classe executavam também o burocrático.

Com o passar do tempo, observou-se então a necessidade de ampliação da escola, oficialmente fundada em 7 de abril de 1986, em vista do crescimento das famílias no bairro. A partir de então, foi construído um prédio próprio para atender da pré-escola à quarta série, cuja inauguração foi realizada no dia 28 de março de 1987, sendo nomeada, no mesmo ano, a primeira diretora, Edna Claudia Mateus Rosa. O imóvel possuía três salas de aula, três banheiros, secretaria, cozinha, dispensa, área recreativa coberta, consultório dentário e sala de leitura e vídeo.

No ano de 1987, a Escola Municipal Santo André, já com sede própria, funcionava com 12 funcionários, sendo sete professores, dois serviços gerais, merendeira, secretária, diretora e já atendia 150 alunos. Daí em diante houve inúmeras evoluções.

APP

A APP (Associação de Pais e Professores) sempre foi muito participativa na escola. Hoje, o presidente é Pedro Antônio Camilo Barreto. É uma entidade jurídica de direito privado, criada com a finalidade de colaborar para o aperfeiçoamento do processo educacional, para a assistência ao escolar e para a integração escola-comunidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui